quarta-feira, 20 de março de 2013

Governo de Minas autoriza licitação de obras no trevo de Paraisópolis



Foi autorizada a licitação para a construção do trevo de acesso à Paraisópolis na MG 173, próximo à empresa Delphi.  O pedido está em trâmite desde 2009, quando o então prefeito Sérgio Wagner Bizarria, entregou um ofício ao deputado federal Bilac Pinto, deputado estadual Carlos Mosconi, e ao então vice-governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, solicitando a realização da obra.
A publicação foi feita no Diário Oficial do Estado Minas Gerais, na última quarta-feira, seis de março. O pedido foi reiterado pela atual prefeita Sílvia Renata Teixeira Rodrigues (PT), durante visita à Belo Horizonte em cumprimento de agenda, nos dias 26 e 27 de fevereiro desse ano. Na oportunidade, Silvinha entregou alguns ofícios ao hoje, secretário de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana, Bilac Pinto, ao diretor geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), José Élcio Santos Montele e ao deputado estadual, Carlos Mosconi. Em outro momento o deputado estadual Ulysses Gomes também recebeu o pedido das mãos de Sílvia em Pouso Alegre.
Recentemente foi noticiado que o deputado Dalmo Ribeiro seria o autor do pedido da construção do trevo em Paraisópolis, porém em pesquisa no site da Assembléia de Minas, não foram encontradas relações que comprovem o fato. Ao relacionar o nome do deputado com o município, aparece uma lista com nove tramitações, dentre as quais, nenhuma se refere à obra.  O site pode ser acessado por qualquer cidadão.
O ex prefeito Sérgio Bizarria, afirma que passou por todos os trâmites durante sua gestão, restando apenas a publicação da resolução e que não houve a participação do deputado Dalmo em momento algum: “ nesses quatro anos que estive à frente da prefeitura, tanto o Dalmo quanto o Thiago Ulisses que foram votados em Paraisópolis nunca deram nada para o município”. Por esse motivo, o ex prefeito não considera justa a publicação feita no jornal local: “existem alguns órgãos de imprensa que não procuram saber a veracidade dos fatos. Dalmo não teve qualquer participação nesse projeto”, explica Bizarria. Para ele, o veículo de comunicação deveria ter mais seriedade com as publicações: “estão publicando inverdades”, garante.
A atual prefeita Silvinha, confirma que Sérgio Bizarria entregou o primeiro ofício em 2009 e que ela acompanhou a reivindicação. Assim que assumiu a prefeitura em 2013 ela deu prosseguimento aos trabalhos para a construção do trevo e explica que foi uma conquista conjunta: “foi uma força tarefa, iniciada com o governo do Sérgio, através do Anastasia, que culminou agora nessa administração com o pedido reiterado”. Ela acredita ser desnecessário chamar apenas para si um ganho que na verdade é em benefício de todos: “foi uma força política que conseguiu, independente de quem pediu primeiro, quem pediu segundo e quem pediu por último”, comenta.
O A licitação ocorrerá no dia 17 de abril ás 9:30h na sede do DER em Belo Horizonte. Após assinatura a obra avaliada em R$ 2.657.040,58. Terá o prazo de dez meses para ser concluída.

Mudança no trânsito da Rua Cap. Antônio Augusto de Almeida divide opiniões em ‘Paraíso’



O trânsito da Rua Cap. Antônio Augusto de Almeida foi novamente modificado. Assim como em 2005, foi impedida a subida de veículos no local. A proibição foi feita no dia 18 de fevereiro e até agora, divide a opinião da população. A rua em questão se cruza com a maior e também umas das mais movimentadas da cidade, Rua Silviano Brandão. O impedimento visa descongestionar e evitar que acidentes aconteça no local.
A prefeita Sílvia Renata Teixeira (PT), lembra que recebia constantes reclamações de usuários da via e que a decisão foi tomada após ouvir várias pessoas, inclusive a polícia militar.
Moradores vizinhos e motoristas que utilizam o caminho mantêm opiniões adversas.
Bruno Silva, por exemplo, mora no local desde 1999 e se diz favorável a mudança: “já aconteceu acidente aqui na rua de casa. Um motoqueiro desceu muito rápido e bateu em um circular”, lembra. Ele explica também que o espaço da rua ficava reduzido, pois no local é comum o estacionamento de caminhões para descarregar mercadorias no mercado: “tem gente que não tem noção, pode acontecer um acidente feio ali. Agora está uma paz, você pode descer a rua tranquilamente sem nenhum problema”, afirma.
Por outro lado, Dimas Cândido Ferreira, apesar de concordar com o perigo do local, não vê a solução como mais adequada: “subo em média cinco vezes por dia e tenho que dar uma volta imensa”. Para ele o ideal seria que os caminhões descarregam em um local onde não atrapalhe o transito.
Alfredo Paiva também discorda da mudança e analisa outras maneiras de solucionar o problema: “não precisava impedir pra todos. Basta impedirem a subida para ônibus e caminhões, reforçar com placas os lugares certos para estacionar e na esquina do mercadinho, botar horário pra carga e descarga”, exemplifica. Alfredo ainda ressalta a importância de esse trabalho ser feito por um engenheiro de trânsito.
Benjamin Alves de Lima, proprietário do mercadinho localizado à Cap. Antônio Augusto de Almeida há 14 anos, considera que a medida tenha sido precipitada: “primeiro devia melhorar as condições das vias dadas como alternativas e só então proibir o tráfego sentido centro”, explica.  Mas ainda assim, considera que o fluxo de veículos não é grande: “daqui uns 20 anos quem sabe, hoje não vejo necessidade”, comenta o comerciante.
Com relação ao estacionamento de caminhões para carga e descarga em frente ao mercado, ele afirma que o problema acontecia, pois não era cumprida a proibição de subida para veículos pesados: “se tinha um caminhão descarregando e outro subia desrespeitando a proibição congestionava o trânsito mesmo”, conta. 
A prefeita considera que as divergências são comuns, pois se trata de uma mudança e é necessário um período de adaptação. Mas um balanço prévio, segundo ela, aponta uma maioria favorável à mudança.
A maior reclamação é com relação às condições da via por onde o trânsito foi desviado. Para evitar um percurso mais longo, é utilizada a Rua Bueno Brandão, que é bem inclinada e estreita ou ainda a Avenida João XXIII que segundo moradores não têm calçamento adequado para receber um maior fluxo de veículos, principalmente de carga.  
Sílvia diz que particularmente utiliza como desvio a estrada do trevo de Consolação, mas, para os que preferem alternativas, como a João XXIII, ela afirma que foi em busca de recursos em Belo Horizonte para recapeamento da rua, assim como também buscará melhorar a subida na Bueno Brandão. Ela ainda reforça a utilização de uma quarta opção, pelo Parque Municipal Antônio Félix Teixeira Filho, o Pernilongão.
Uma reunião com o legislativo será marcada para discutir não só essa questão como demais problemas do trânsito em Paraisópolis. 

Daniel Chimp: amor à primeira audição


Dezenove anos de idade e três de carreira. O apelido de criança virou nome artístico e a brincadeira virou coisa séria.
Estou falando de Daniel Chimp, um artista de Paraisópolis que conquistou fãs e prepara a gravação de seu primeiro CD, denominado ‘EUVIM’. O disco traz justamente a introdução de sua música e será composto por nove faixas inéditas.
As rimas sempre fizeram parte de sua vida que, sem pretensão o menino de skate nos pés soltava versos por onde passava. O primeiro contato com o estilo musical foi na quinta série durante um trabalho escolar: “foi amor à primeira audição”. Racionais Mc's foram a introdução ao rap em sua vida, com a música ‘A Vida É Desafio’: “virei a noite escutando o CD dos caras. Hoje faço Rap pra trazer à alguém a mesma sensação que tive quando ouvi esse estilo musical tão importante pra mim e pro meu país”, explica Daniel.
 Consciente das dificuldades e da pouca experiência, Daniel mantém os pés no chão e ainda não se deu conta da proporção que sua música alcançou.
O estilo reservado e o companheirismo são marcas que o artista deixa com os amigos.  
Inspirado em vários artistas, ele tem como principais: Sabotage, Racionais, Kamau, Criolo, Cazuza, Cássia Eller, Seu Jorge e Cartola.
Ele compara a inspiração a uma pessoa que só aparece quando quer e some sem avisar: “meu processo de composição é meio doido, cada vez a canção vem de um jeito, então não forço muito pra compor, deixo vir no meu ritmo”, conta ele. O melhor momento é durante a madrugada: “quando a cidade se cala minha arte fala”, explica. “Mas acredito que existe algo maior que me ajuda a escrever. Sinto isso”, confidencia o cantor.
Questionado sobre o preconceito aplicado ao estilo, Daniel diz que o rap jamais deixará de ser combatido: “é delicado admitir, mas somos influenciados por outros. Não só o Rap, mas tudo que almeja uma melhora, uma mudança drástica é visto com outros olhos, pois é algo diferente, novo. Mas, estamos caminhando”, afirma. Ainda segundo ele, essa marginalização do rap é disseminada por pessoas que visam apenas o lucro, a concorrência e a estagnação do próximo.                           
Apoiado pelos amigos e pela família, Daniel agradece a Deus pela carreira: “tudo aconteceu muito rápido e naturalmente”, diz.
O que o deixa feliz? “cantar, independente do tipo de canção. Seja Rap de amor ou de protesto. Sinto-me bem em show, sou viciado em palco”, conta ele. 

Cemig responde questionamento de moradores em Paraisópolis


No dia 26 de fevereiro uma sequência de apagões atingiu Paraisópolis e região. Durante cerca de três horas a energia piscou incessantemente com intervalos de 10 segundos mais ou menos.
O problema causou transtorno para muita gente como é o caso de Paulina Araya que até tentou se adequar à inconstância da energia e, ministrar aulas de inglês praticamente no escuro. Porém certa hora tornou-se impossível continuar e ela dispensou os alunos antes do horário. Paulina lembra que a colega ministrava aulas para crianças que ficaram amedrontadas no escuro. Além disso, as demais aulas foram canceladas, casando prejuízo para a escola e para os alunos.
Dione Fonseca é proprietária de um quiosque na Praça Cel. José Vieira e lembra os contratempos que teve na noite do dia 26: “salsichas, bacon, linguiça calabresa, lasanha e açaí, ficam no freezer e com quase quatro horas sem luz descongelou fácil”, explica ela. Além desse problema, Dione diz que terminou o expediente mais cedo, por volta das 18h: “ao escurecer e sem luz ficamos com medo de assaltos”, explica a comerciante.
 A reclamação dos munícipes é com relação às informações fornecidas pela central de atendimento ao consumidor. Em diversas ligações a resposta foi a mesma: “esta é a primeira ligação notificando o problema”.
Outro fator controverso, foi com relação a forma de interrupção  e o tempo que a cidade ficou sem energia. De acordo com a nota divulgada pela Companhia Energética de Minas Gerais, o desligamento ocorreu por volta das 20h19 e o restabelecimento da energia começou imediatamente após a ocorrência, de forma gradativa. Ainda segundo a companhia, às 21h40, a cidade já estava com a energia elétrica restabelecida.
Nossa reportagem repassou todas as informações ao departamento de comunicação da Cemig, que por sua vez, enviou aos departamentos competentes que explicaram o ocorrido.
Foi solicitado o encaminhamento de endereços ou número da instalação onde ocorreram os desligamentos citados anteriormente para que a empresa apurasse com mais detalhe a ocorrência que motivou o contato dos moradores com o jornal. Enviamos 15 endereços.
O mal entendido sobre os desligamentos, segundo a companhia, aconteceu, pois as informações divulgadas na imprensa foram relativas à ocorrência mais relevante registrada no município. Entretanto, além desta, a empresa registrou, no dia 26 de fevereiro, outros desligamentos causados por cabos partidos e danos em equipamentos provocados por galhos de árvores na rede e raios.
O horário de início e término da interrupção também considerou o período em que o maior número de consumidores (cerca de 6.500) ficou desligado.
O restabelecimento da energia foi feito de forma gradativa. Assim, às 20:40h, as equipes acionadas para atendimento ao município isolaram o trecho com suspeita de defeito, restabelecendo o fornecimento para 92% dos consumidores, permanecendo então, 500 consumidores desligados até que os serviços de recomposição dos danos causados à rede de energia pudessem ser concluídos com segurança.

Polícia Militar presta homenagem no Dia Internacional da Mulher


No último dia oito foi comemorado o dia Internacional da mulher. Como forma de homenagem, a PM visitou e presenteou com flores, mulheres vítimas de violência doméstica ou que apresentam vulnerabilidade social em Paraisópolis.
De acordo com o Tenente Diego Valote, foram entregues rosas que simbolizam o carinho e respeito que a Instituição tem por cada uma delas: “elas merecem cada vez mais segurança e proteção”.
            O tenente, em nome de Polícia Militar, deseja parabéns a todas as mulheres de Paraisópolis e região: “a PM estará sempre presente para garantir seu bem-estar e o direito de uma vida segura, repleta de alegria e realizações”, afirma.

Pedra do Baú é palco de esportes radicais



Depois do slackline, agora é hora de conhecer um esporte ainda mais radical, o highline. A semelhança entre os dois é o equilíbrio sobre o elástico e a diferença fica por conta da dificuldade e do ambiente praticado. O highline surgiu como uma evolução do slackline. O princípio é basicamente o mesmo, mas, o slackline é feito a poucos metros do chão. Enquanto o highline é posicionado geralmente em meio a montanhas e centenas de metros mais alto.
Não é preciso ir longe para conhecer alguns adeptos do esporte. Em São Bento do Sapucaí - SP, Carlos Eduardo Lima desenvolve essa atividade há cerca de três anos. O lugar escolhido não poderia ser outro. A pedra do Baú localizada há 2100 metros de altitude. A highline de Carlos Eduardo é montada a 200 do chão com vista para o cume.  
 O esporte é recente no mundo e existem relativamente poucos que se arriscam na prática apesar de ter se iniciado por volta da década de 70. Uma mistura da bela arte circense de caminhar sobre a corda bamba e da paciência e precisão da escalada.
 Para praticar, não basta ter coragem. É necessária a utilização de vários equipamentos de segurança, além de cuidado para escolher e montar o equipamento, que deve sempre estar em bom estado de conservação. A fita precisa ser muito bem tensionada e pelo menos uma corda de escalada é usada por segurança, caso a fita se rompa.
Carlos Eduardo acredita no futuro do highline no Brasil: “é um esporte de relação muito pessoal, geralmente não existem campeonatos de highline, mas já aconteceram alguns encontros envolvendo os grandes pioneiros do esporte”, explica ele.
O objetivo é atravessar caminhando e se equilibrando em uma espécie de corda bamba de 2,5 cm de largura em precipícios, entre duas montanhas ou dois prédios: “o highline é uma vivencia diária, onde você não interage só com o ato de caminhar sobre a linha e sim com a montanha e todos os seus riscos”, conta o atleta.
O jovem de 22 anos de idade se dedica a música e ao atletismo e descreve a sensação de praticar o esporte como a de flutar sobre o vazio ao lado dos pássaros. Ele lembra que esse é considerado um esporte de risco e são necessários estudos e cursos para que seja desenvolvido. Ciente dos perigos, Carlos Eduardo lembra um susto que levou: “um dia acabei de sair da linha e vi a fita estourar na minha frente. Não aconteceria nada comigo, pois ficaria na corda reserva, mas seria uma sensação bem estranha, comenta e ri ao lembrar o episódio. Para ele o ideal é que os praticantes sejam maiores de 18 anos. 

Confira os resultados a primeira edição do Desafio Serras Verdes Trail Run



O primeiro desafio Serras Verdes Trail Run foi um sucesso. O percurso denominado pela organização como belíssimo e desafiador conquistou atletas de várias regiões. Foram mais de 350 atletas inscritos que percorreram o Bairro do Bicudo em Sapucaí-Mirim.
No percurso de 10km na categoria geral masculina, o vencedor foi Celio Augusto Rosa com o tempo de 00:42:27. Na classificação geral feminina, Eliane Fátima de Paula Abre levou a melhor, fechando o percurso em 01:09:23  , competindo pela equipe ‘TRIBE OF RUNNERS’. 
Na masculina de 4 km, o vencedor foi Clemente Maria Borges em 00:15:18 e na feminina, Elisângela Aparecida Ramos dos Santos com 00:20:17, competindo pela equipe ‘CLUBE DA BOA FORMA/FACERUNNERS’.
Pela categoria 4 KM PNC, o primeiro a concluir foi   Waldemar Ferretti de Taubaté – SP em 00:34:39.
        
 
Confira também a classificação infantil: CATEGORIA 200 METROS (ATÉ 08 ANOS) – MASCULINO
103 
ALEXANDRE FIGUEIREDO BRAGA
CORRE CAIPIRA
CATEGORIA 200 METROS (ATÉ 08 ANOS) – FEMININO
97
FRANCIELLE M. DOS SANTOS PAIVA
ACOSM/SAPUCAÍ-MIRIM
CATEGORIA 600 METROS (09 E 10 ANOS) – MASCULINO
165
LUIZ GUILHERME ALVES DE CARVALHO
ACOSM/SAPUCAÍ-MIRIM
CATEGORIA 600 METROS (09 E 10 ANOS) – FEMININO
161
SABRINA DE PAULA SANTOS
ACOSM/SAPUCAÍ-MIRIM
CATEGORIA 1 KM (11 A 13 ANOS) – MASCULINO
230
VINICIUS JOSE DA SILVA SANTOS
PAPALEGUAS MAXION
CATEGORIA 1 KM (11 A 13 ANOS) – MASCULINO
250
DALVANY RIBEIRO DO PRADO
ACOSM/SAPUCAÍ-MIRIM

terça-feira, 19 de março de 2013

PM aplica curso Proerd Infantil em Paraisópolis


Foi ministrado pela primeira vez o Programa Educacional de Resistência às Drogas – Proerd, adequado à modalidade infantil, que abrange crianças nas fases iniciais de aprendizagem.  O projeto teve início do dia cinco de março, no Colégio ‘Santa Ângela’.
A iniciativa faz parte das comemorações de aniversário de setenta anos da escola. Mais de 130 crianças com faixa etária de três à seis anos receberam as orientações dos instrutores SD Éverton e SD Rezende.

Programação para toda a família no aniversário de 50 anos de Gonçalves



Gonçalves completou 50 anos no último dia 1º e quem festa a festa foi a população. Um calendário diversificado foi preparado para atender toda a família. 
No dia 1º, evento cívico, apresentações das escolas, missa sertaneja em ação de graças com a presença dos padres: Inácio, Zezinho e Agenor, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, de Camanducaia. E para fechar o primeiro dia, show com Sérgio Reis.
Dia dois, amistosos de futebol no Estádio Municipal Sebastião Luiz de Souza. As disputas foram entre seleções de Gonçalves e São Bento do Sapucaí. No início da noite, um concurso pala eleger a Miss Gonçalves, vencido por Jennyffer Aléxia de Souza Ribeiro de 15 anos. Logo após, show com Juliana Campos e Banda Batuke Minas, seguidos pelo grupo Curti & Samba.
Para finalizar, no último dia, apresentação de congada, abertura do campeonato municipal de futebol, show com a ‘Galinha Pintadinha Cover’, e apresentação do grupo de viola ‘Alma Caipira’ seguido por Tião, Paulinho e banda.
A organização estima a presença de quatro mil pessoas nas festividades de aniversário.

1º grito Rock é realizado em Paraisópolis



O ‘I(n)venta’ é um coletivo cultural independente, organizado em Paraisópolis. O grupo formado por 20 pessoas realizou sua primeira manifestação denominada ‘Grito Rock’.
O evento já acontece no mundo todo entre fevereiro e março e agora chegou a vez de Paraisópolis conhecer de perto. A manifestação busca oferecer às pessoas uma opção cultural diferente. O ‘I(n)venta’ segue a linha do ‘Movimento Fora do Eixo’ que teve início em Cuiabá e se espalhou pelo mundo. O circuito é formado por 300 cidades de 30 países. Em 2013, além da América Latina, países da Europa, Oceania, África integram-se ao evento.
O ‘Grito’ de Paraisópolis, aconteceu na noite do dia 1º de março no Clube Rosa de Ouro. Na entrada foi cobrado o valor de R$5,00 e 1 kl de alimento não perecível. Os alimentos e parte do dinheiro arrecadado na portaria foram doados para a instituição filantrópica, ‘Casa da Criança’.
O público de aproximadamente 200 pessoas pôde prestigiar shows com: Alex Falafina, Daniel Chimp, A Incrível Fábrica de Músicas de Itajubá, Projeto Consonância de Santa Rita do Sapucaí e Pouso Alegre, ultisambofônico de São Paulo, Tio Charlie de Itajubá e discotecagem. Tudo isso rodeado por poesias, fotografias, pinturas, esculturas e desenhos. Também fez parte da programação diversificada: danças, distribuição de livros e zines, campanha de prevenção contra a AIDS com distribuição de preservativos, panfletos e sorteio de brindes.
O grupo é responsável por outros eventos rrealizados na cidade como: a campanha de coleta e doação de livros, que aconteceu na Praça Cel. José Vieira durante três domingos e o ‘Dia Cultural’ em comemoração ao aniversário de Paraisópolis. De acordo com Julio Dias, um dos membros do ‘I(n)venta’, novos eventos já são projetados.
Júlio faz uma avaliação positiva do evento e agradece o apoio da população: “é um orgulho para nós. O Grito Rock é um evento que acontece no mundo todo e agora Paraisópolis está nesse roteiro cultural”, explica.
O movimento recebeu a colaboração de patrocinadores e da Prefeitura Municipal.

Projeto de física garante 1º lugar para alunos e professor em Gonçalves




A Escola Estadual ‘João Ribeiro da Silva’, de Gonçalves venceu o concurso de robótica da FAI - Faculdade de Administração e Informática, de Santa Rita de Sapucaí. O projeto apresentado foi um chalé autossustentável. Como premiação, cada aluno participante recebeu um tablet e o professor coordenador, um netbook.
Concorreram 32 escolas das Superintendências regionais de ensino de Itajubá e Pouso Alegre, dentre elas, escolas públicas e particulares.
A diretora Ângela Aparecida da Silva Ferreira, credita o ótimo desempenho à responsabilidade e seriedade do trabalho de toda a equipe da escola: “a vitória é a comprovação de que alunos da ‘João Ribeiro da Silva’ possuem alto nível de aprendizagem e criatividade”, afirma ela.
Os alunos integrantes da equipe vencedora têm entre 16 e 17 anos e cursam o 1º, 2º e 3º ano do ensino médio. Lara, Yara, Augusto, Fabrício e Nícolas, juntamente com o professor de Física e Matemática, Anderson Marcelo, foram homenageados na própria escola pela direção, professores, especialistas, alunos e funcionários e receberam medalhas e cartões.
A prefeita Maria de Lourdes das Neves (PT), também manifestou sua admiração e parabenizou a equipe e a escola pelo prêmio. Para ela, a vitória é um grande mérito para o município de Gonçalves. Durante a cerimônia, Lourdinha reiterou o apoio da prefeitura em todos os projetos que a escola vier a participar.



Casal é preso por furto em Paraisópolis



Um casal foi abordado em atitude suspeita na madrugada do dia 28 de fevereiro, por volta das 3h. A Polícia Militar durante patrulhamento preventivo se deparou os dois, transitando com diversas sacolas nas mãos. Ao serem abordados, I.A.P. de 19 anos e sua esposa D.S.A.S, também de 19 anos, foi verificado o conteúdo das sacolas sendo encontrado diversas peças para motocicleta como: baterias, pneus, amortecedores, óleo para moto, jaquetas e capacetes.
Durante interrogatório, a PM concluiu que as peças eram de uma loja próxima ao local da abordagem. A proprietária da ‘Speed Moto Peças’, Jane Azevedo foi acionada e identificou o material. O homem passava por um período de experiência que durou apenas três dias, até o dia do furto. Segundo ela, o auxiliar de mecânico escondia a mercadoria do lado de fora do estabelecimento e voltava a noite para buscar.
Na residência do casal foi localizada e apreendida uma Honda CG com a placa de identificação de outra moto.
Diante dos fatos, o casal foi preso em flagrante por furto ao estabelecimento comercial e por adulteração da motocicleta. Ambos foram encaminhados a delegacia de Itajubá.

Bandidos explodem caixa eletrônico em Sapucaí-Mirim



Mais uma Agência bancária foi assaltada no Sul de Minas. Dessa vez o local escolhido para ação dos bandidos, foi um caixa eletrônico do Bradesco em Sapucaí-Mirim. Foram utilizados explosivos que deixaram a frente do banco completamente destruída. O assalto aconteceu por volta das 5h da manhã de sábado (2). De acordo com a polícia militar, os infratores aproveitaram o deslocamento das equipes para atendimento de ocorrência na zona rural para efetuar o assalto.
A PM seguiu informações de que os bandidos teriam seguido rumo à São José dos Campos – SP. Durante a fuga, dois veículos foram abandonados na estrada. Após consultar as placas no sistema, a PM descobriu serem frutos de roubo a mão armada, um em Jacareí - SP e o outro em São José dos Pinhais – PR.
A polícia de Minas Gerais e São Paulo trabalham em conjunto, mas, até o momento, ninguém foi preso.  A maior dificuldade em obter informações é devido a falta de equipamentos de segurança na agência. Além disso, o acesso a ‘boca’ do caixa estava destrancada, o que facilitou a ação dos bandidos. Ainda não foram divulgados os valores levados na ação.   

Assalto à mão armada em Conceição dos Ouros


Dois homens armados renderam um frentista de 35 anos em um posto de gasolina no centro de Conceição dos Ouros. Os ladrões agiram a pé e levaram R$1,4 mil no dia 25 de fevereiro. Os bandidos ainda tentaram arrombar a porta do escritório do estabelecimento, sem êxito. Os dois fugiram em um Gol, prata, estacionado próximo do local, com placas de São José dos Campos – SP.
A PM fez rastreamento e colocou as cidades vizinhas em alerta, porém, os suspeitos ainda não foram localizados. 

segunda-feira, 4 de março de 2013

Energia elétrica ‘pisca’ por quase quatro horas em Paraisópolis


Moradores de Paraisópolis presenciaram um fato considerado por muitos, inédito. Após faltar energia elétrica por diversas vezes durante o dia, por volta das 18h a luz piscou incessantemente até as 21:30h.
Segundo relatos, interrupção e a retomada da energia aconteciam de forma constante e com intervalos calculados em torno de 10 segundos.
A Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig informou por meio de uma nota que os desligamentos registrados na noite desta terça-feira, nos municípios de Paraisópolis e Consolação, foram causados por um defeito em um equipamento da rede de energia que abastece estas cidades.
De acordo com a Cemig, o desligamento ocorreu às 20:19h e o restabelecimento da energia começou imediatamente após a ocorrência, de maneira gradativa. Ainda segundo informações contidas na nota, ás 21:40h todos os consumidores já haviam sido restabelecidos.
Porém, não é o que dizem os moradores das cidades afetadas. Graziele Dias, por exemplo, afirma que em Conceição dos Ouros também houve interrupção no abastecimento de energia e o município não consta na nota divulgada. Outra divergência é com relação aos horários e forma de interrupção já que moradores de Paraisópolis afirmam que o problema transcorreu durante o dia todo e a luz era restabelecida de forma inconstante.   
A Cemig lamentou os transtornos provocados pelo problema e informou que as causas do defeito já estão sendo apuradas pelos técnicos da Empresa.

Lixo que vale muito



Você separa seu lixo entre orgânico e reciclável, não é mesmo? A Escola Municipal ‘Bueno de Paiva’, em Paraisópolis, separa cada tipo de embalagem em uma brigada específica. A ação faz parte do projeto realizado com os alunos através do ‘TerraCycle’.
O ‘TerraCycle’ é um programa que prevê a conversão de resíduos em novos produtos e a arrecadação dos mesmo é revertida em benefícios para as escolas participantes.  
O Bueno de Paiva integra o time das escolas sustentáveis desde 2011. Todos os anos, os alunos são divididos em quatro equipes, duas de manhã e outras duas no período da tarde. Cada um deve cumprir uma meta estabelecida. Durante o ano todo, as crianças arrecadam diversas embalagens como: salgadinhos, congelados, chocolates, sucos, bolachas entre outros. Cada categoria faz parte de uma brigada de separação identificada por cor.
A diretora da escola Ana Lázara conta que das ruas ao próprio pátio da escola, a redução de lixo é notável: “tem criança que traz uma sacolinha e vem recolhendo lixo pelo caminho”, comenta.
No primeiro ano de participação, em 2011, os itens arrecadados e enviados foram revertidos no aluguel de uma cama elástica para as crianças. Já em 2012, o projeto recebeu adesão dos pais e a mobilização foi expressiva. As embalagens arrecadadas foram convertidas em verba para o aluguel de um parque inflável, contendo cinco brinquedos. O projeto rendeu à escola no ano passado, o 3º lugar entre os 10 melhores times do Brasil e uma medalha de bronze.
Esses benefícios são para todos os alunos da escola, já a equipe vencedora recebe um prêmio a mais. Em 2011 foi um picnic e em 2012 assistiram a uma peça de teatro na Escola Estadual ‘Eulália Gomes de Oliveira’.
Além desse projeto, o Bueno mantém o ‘Meio Ambiente e Jogos interativos’ que visa não só proteger a natureza dos resíduos que descartamos como também incentivar a conscientização e participação da família na escola. É arrecadado óleo já utilizado que são convertidos em sabão, para o uso da própria escola e o restante é vendido. 

Vem aí a 1ª edição da Corrida estilo ‘Trail Run’ de Sapucaí-Mirim




Trail Run’ é um estilo de corrida diferenciado, realizado em meio às montanhas. O relevo de nossa região permite a prática desse esporte que vem crescendo no Brasil.
O ‘Desafio Serras Verdes Trail Run’, é uma realização da Ascom - Associação de Corredores de Rua de Sapucaí-Mirim, realizado no dia dois de março. O percurso será diferenciado e dividido em quatro modalidades:
· Percurso Longo de 10 km (acima de 18 anos): Percurso em Montanha (trail run); Trajeto em estrada de terra, trilha e grama, com muitas subidas e descidas; Grau de dificuldade “alto”. Largada: 15:45h.


· Percurso Curto de 4 km (acima de 14 anos): Percurso em Montanha (trail run); Trajeto em estrada de terra; com subidas e descidas; Grau de dificuldade “alto”. Largada: 15:55 h.



· Caminhada de 4 km: Percurso Rústico; Trajeto em estrada de terra e ruas calçadas; Grau de dificuldade “fácil”. Largada ás 15:20h. Percurso único e participativo de aproximadamente 4 km (não há premiação).



· Percurso Kids (até 13 anos): Percurso plano; Trajeto em ruas calçadas; Grau de dificuldade “fácil”. A largada será ás 15:00h.

A prova pode ser executada por homens e mulheres e será realizada independente das condições climáticas.
A largada será dada chegada no Clube Campestre de Sapucaí-Mirim, situado na Avenida José de Paula Barbosa,355 e a chegada será no mesmo local.
Podem participar pessoas de ambos os sexos. Para efeito de enquadramento nas categorias por faixa etária, será considerada a idade que o atleta terá no dia 31 de dezembro de 2013.
No local da concentração da largada e chegada, estarão disponíveis banheiros, posto de hidratação e atendimento médico.
Haverá três postos de hidratação durante o percurso LONGO e dois no percurso CURTO. Os participantes deverão descartar os copos plásticos na área delimitada para descarte (devidamente sinalizada) ou próximo aos Staffs para facilitar o recolhimento, pois se trata de percurso em trilhas preservadas ambientalmente.
Não haverá premiação em dinheiro, os vencedores receberão troféus. A maior e a melhor equipe também serão premiadas.
A retirada do kit de corrida será feita no DIA DO EVENTO local da largada e chegada das 12:00h ás 15:00h.
O DESAFIO SERRAS VERDES TRAIL RUN será organizado pela ACOSM - Associação de Corredores de Rua de Sapucaí-Mirim / MG, em parceria com a Prefeitura Municipal de Sapucaí-Mirim / MG, Clube Campestre de Sapucaí-Mirim e Polícia Militar do Estado de Minas Gerais, com patrocínio incentivado pelo Programa Lei de Incentivo ao Esporte (LIE) do Ministério do Esporte.

Paraisópolis leva duas das quatro categorias da Taça MG-SP de Futsal



A grande final aconteceu no dia 1º de fevereiro e reuniu um público de aproximadamente mil pessoas no poliesportivo professor Helcias Rocha. Na entrada foi recolhido 1 kg de alimento não perecível que será doado para o Asilo São Vicente de Paula.
Paraisópolis venceu duas das quatro categorias disputadas. No municipal, o Sul Minas venceu o Mercadinho Vini Junior nos pênaltis, depois de empatar no tempo normal por 2x2. Alan Souza é goleiro do time e participa da competição há quatro anos chegando à final em três oportunidades. Ele lembra as dificuldades enfrentadas para treinar durante o ano letivo: “treinamos juntos nos finais de semana, feriados e nas férias. Há poucas datas em que todos estão disponíveis”, conta. Alan ressalta a importância da Taça: “o torneio é sensacional, certamente é um campeonato em que todo time da cidade busca conquistar e se prepara ao longo do ano”, explica o goleiro.
Na categoria veterano, Paraisópolis também levou a melhor, com o ‘Chaveiro Paraíso’ que venceu Conceição dos Ouros por 3x2. Wenceslau Teixeira, conhecido na cidade como Lau Chaveiro conta que o time treina há dois anos e ressalta o nível da Taça: “a cada ano que passa o nível dos atletas melhora, tornando a competição mais difícil e a vitória cada vez mais almejada”, afirma. O ‘Chaveiro Paraíso’, foi vice-campeão em 2011 quando perdeu para Pouso Alegre e campeão em 2012 contra o time da Delphi. A vitória contra Conceição dos Ouros rende a equipe o bi da Taça MG-SP de futsal. 
 No feminino, Congonhal venceu a Auto Escola São José por 8x3 e levantou o troféu. Rosi Chagas, atleta do time vencedor participa pela 3ª vez do Minas São Paulo. O time já existe há cinco anos e para ela vem melhorando a cada edição: “em 2011 não passamos da primeira fase, já no ano passado chegamos às semifinais, mas, perdemos pra Itajubá”, lembra a jogadora. Para ela a Taça é um campeonato muito difícil e disputado, o que motivou a busca por patrocínios: “consegui trazer as meninas da ‘Pinhal Futsal Feminino’, atuais campeãs paulista parar reforçar nosso time”, explica. Rosi descreve como “emocionante”, conquistar o campeonato diante do time da casa com a torcida inteira contra.
E na disputa do regional, a taça ficou nas mãos do Ouros Futsal, que venceu por 7x3 o Yoka.
Nádia Braga faz parte da organização do evento e agradece mais uma vez o apoio da Prefeitura Municipal e a presença de todos durante um mês de competições. Além de troféus, as equipes vencedoras levaram pra casa prêmios em dinheiro: R$1500,00 no municipal, R$2100,00 regional e R$700,00 feminino e veterano. 

Jovens praticam slackline em Paraisópolis



Slackline é um esporte de equilíbrio praticado sobre uma fita de nylon, estreita e flexível, geralmente amarrada nas extremidades a 30 cm do chão. Surgida na década de 1980 nos EUA, a brincadeira ganha adeptos em Paraisópolis. Uma turma formada por mais de 15 garotos com idade entre 15 e 18 anos praticam slackline diariamente no parque municipal ‘Antônio Felix Teixeira’, o Pernilongão.
Wellington Berserk, estudante de 15 anos, é um dos integrantes desse grupo. Ele explica que todos os membros estudam e/ou trabalham. Além disso, afirma que têm conhecimento dos riscos e de como evitar acidentes: “deve-se ter cuidado para não cair, sempre praticar onde o solo é de areia ou grama e se não tiver muita prática, colocar a corda mais baixa, esse é o básico”, conta.
Outra preocupação é com a proteção das árvores geralmente utilizadas para amarrar a fita: “utilizamos uma cobertura para proteger as árvores do atrito ocasionado pela fita”, explica Wellington.
A prefeita Sílvia Renata Teixeira (PT), aprova a iniciativa dos meninos: “sou totalmente a favor! Não tinha conhecimento de praticantes aqui na cidade”, comenta ela.
Sílvia explica que soube da modalidade em Paraisópolis na semana passada, quando um dos atletas a procurou: “estou com eles, apoio totalmente, e também quero aprender a praticar”, afirma.
O único problema em questão é encontrar um local viável para praticar o slackline, já que além do Pernilongão, os meninos tentaram praticar em praça pública: “a Praça Coronel José Vieira não é um local apropriado para a prática dessa modalidade, pois o fluxo de pessoas é muito grande, podendo causar algum tipo de acidente com crianças ou idosos”, explica a prefeita. Porém, com relação ao parque da cidade, Sílvia não vê problemas e até mesmo cita casos de países como Austrália e Canadá, onde a prática é comum nos parques.
Pesquisas afirmam que o slackline pode ser praticado por crianças à partir de cinco anos. A estudante de Educação Física Jeniffer Nuevo considera que não há riscos graves na prática desse esporte já que a altura da fita é baixa e não causa impactos no joelho: “o único problema seria na queda, devido ao impacto contra o chão”, explica. Por isso ressalta a importância de praticar num local apropriado com areia ou grama. Outra questão de acordo com ela é com relação ao uso inadequado de equipamentos: “faz mal para o esporte em geral, principalmente para iniciantes”, afirma.  
De acordo com o site especializado ‘gibbonslacklines’, o Slackline possui muitos benefícios físicos e também mentais: “destacamos o equilíbrio, concentração, consciência corporal, velocidade de reação e coordenação como os maiores benefícios”.

Futbicha movimenta sábado de carnaval em Gonçalves



Já imaginou sair para pular carnaval e se deparar com um bando de marmanjos vestidos de mulher e ainda por cima jogando futebol? Pois é, essa foi a maneira que moradores e turistas de Gonçalves encontraram para diversificar o carnaval e atrair mais visitantes.
A brincadeira teve início em 2010 e acabou se tornando marca registrada nessa época do ano. Com o apoio da Prefeitura Municipal, a comunidade se organiza com inscrições e divide os inscritos em dois grupos: solteiros e casados.  A participação é livre, sem taxa. A única obrigatoriedade é estar a caráter, o seja, vestido de mulher.
Esse ano foram 28 inscritos, que disputaram a partida no Estádio Municipal "Sebastião Luis de Souza". Algumas pessoas se caracterizaram mas não participaram do evento e se juntaram ao público de mais de 300 torcedores.
A tarefa de organizar toda essa gente, fica por conta da comissão organizadora do carnaval que atua no município a nove anos de forma voluntária. 

Bandidos armados assaltam supermercado em Paraisópolis


Dois homens armados invadiram o supermercado Unissul na manhã de domingo (24). Os bandidos estavam de capacete e fugiram em uma moto. A ação durou cerca de 11 minutos de acordo com as imagens das câmeras de segurança.
Foram levados R$362,62 de cinco caixas, segundo a subgerente Maristela da Costa, que está grávida de sete meses e ficou sob ameaça dos bandidos. A polícia foi acionada imediatamente e realizou rastreamento sem êxito. O assalto aconteceu por volta de 11:20h.
Filipe Mendonça chegou ao local no momento da fuga. Segundo ele, ao entrar no supermercado acompanhado do pai, se deparou com os funcionários em estado de choque: “algumas balconistas choravam muito, estavam desesperadas”, descreve. Ele lembra que havia bastante gente no local, inclusive várias crianças: “depois que entramos, os funcionários fecharam as portas e não deixaram mais ninguém entrar”, explica.

Sete mil foliões movimentaram Gonçalves na caminhada alcoológica



O domingo de carnaval foi agitado em Gonçalves. Mais de sete mil pessoas desfilaram pelas ruas e mudaram o cenário da pacata cidade da Serra da Mantiqueira. Quem subiu a serra, mal conseguiu estacionar o veículo dentro da cidade.
A principal atração do dia foi a tradicional ‘Caminhada alcoológica’ que está em sua 13ª edição. Mal vista por alguns e ansiosamente aguardada por outros, o evento particular ganha novos adeptos a cada ano. Essa edição foram 300 abadás vendidos. A caminhada é aberta e os participantes percorrem as principais ruas da cidade acompanhando um carro. O diferencial da caminha são as paradas nos bares pré estabelecidos, apenas para portadores do abadá personalizado.
Devido ao grande número de visitantes na cidade no domingo, a Prefeitura disponibilizou 150 metros de gradil (para melhorar o trânsito de veículos), além dos banheiros químicos em pontos estratégicos e seguranças.
Foram organizadas diversas lotações das cidades vizinhas para prestigiar a caminhada e mesmo quem não adquiriu o abadá acompanhou a folia. Júlia Pinto com mais 20 amigos foram conferir: “é o terceiro ano que passamos a tarde de domingo em Gonçalves, adoro a festa, gente bonita, animada, independentemente da chuva tava todo mundo pulando e dançando”, lembra ela.  
Maria Eliza Vieira faz parte da organização e diz que não esperava tamanha repercussão: “nunca passou por nossa mente que um evento como esse tomaria proporções tão grandes”, conta ela. A ideia foi lançada pela família do Sr. Paulo, professor em São José dos Campos e que frequenta Gonçalves há mais de 30 anos. “No início foi apenas uma maneira de reunir os amigos na época do carnaval”, explica Maria Eliza.
Para Aparecida Scandola a organização está de parabéns: “achei um evento bem organizado, muito legal, pessoas bonitas, música boa”, comenta. Foi a primeira vez que participou e ela recomenda: “De todos os eventos da região, foi o q achei mais gostoso”, conta ela.
A organização tem dimensão do crescimento do evento e busca melhorias: “o importante é planejar e orientar os foliões para não haver estresse. Para o ano que vem, com certeza, mudanças virão pra melhor”, afirmam.