quarta-feira, 18 de maio de 2011

Após polêmica, Prefeitura dá inicio às obras em calçadão de Paraisópolis

O trabalho de substituição das pedras portuguesas do calçadão localizado à rua São José, por ladrilhos hidráulicos teve início na segunda-feira,25. Parte do calçamento da praça Cel. José Vieira também será trocado.

No dia 10 de março a Prefeitura Municipal de Paraisópolis convocou uma reunião extraordinária no ‘Centro Cultural Amílcar de Castro’. Em pauta, as obras previstas para o calçamento.

O Conselho de cultura é composto por sete membros, sendo que cinco estiveram presentes na reunião. Houve votação e a maioria dos conselheiros aprovou a substituição do piso alegando mal estado de conservação, disposição da verba no valor de R$101.883,65 e a licitação já ocorrida em novembro de 2010.

A medita causou polêmica entre a população e teve de ser analisada pelo Ministério Público que recomendou a suspensão das obras após reinvidicação popular por meio de um abaixo assinado contendo 400 nomes.

O único voto contra foi do Conselheiro e professor Getúlio Castro. Ele usa como base a não unanimidade da população frente a questão. Na tentativa de preservar o patrimônio foi sugerido um plebiscito.

Outra medida sugerida seria seguir o exemplo dos bares temáticos cariocas que elaboraram painéis medindo aproximadamente 1,20 x 0,80 cm com um mosaico acompanhado de explicação histórica. Esse material ficaria exposto no mercado municipal.
O piso atual é de origem portuguesa e foi construído na gestão do prefeito João de Paula Cabral no início da década de 80.

A prefeitura e a maioria dos conselheiros são a favor da obra e alegam que o calçadão não é um patrimônio histórico da cidade e, além disso, a reposição das pedras portuguesas ficaria mais do que o dobro do valor dos ladrilhos hidráulicos.

Outro ponto negativo seria a manutenção. A mão de obra para esse tipo de serviço é escassa na região, os ladrilhos soltam com facilidade e a limpeza deve ser feita com produtos específicos.

Com relação a manifestação contrária à execução da obra, o prefeito Sérgio Bizarria (PR) afirma que foi apenas uma pequena parcela da população que resultou em um abaixo assinado encaminhado ao Ministério Público. E explica: “uma vez que a população de Paraisópolis é hoje de 19.388 habitantes, conclui-se que a maioria da população é a favor da realização da obra”.

2 comentários:

josé geraldo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
josé geraldo disse...

E onde fica a democracia senhor prefeito? Sua frase “uma vez que a população de Paraisópolis é hoje de 19.388 habitantes, conclui-se que a maioria da população é a favor da realização da obra” é de um autoritarismo extremo que acabou no Brasil com o fim da ditadura!

Os motivos apresentados para troca do calçamento são - no mínimo - amadores.

O Calçadão foi construído nos anos 80, portanto sua durabilidade é mais do que comprovada!

Agora responda qual é a durabilidade do feioso ladrilho hidraúlico?

Quando a Prefeitura fará algo realmente duradouro para a cidade, ao invés de ficar trocando banco e ladrilho das praças!?

Postar um comentário